terça-feira, outubro 16, 2007

Portugal também pode ser um exemplo!

Esta noticia tem que nos deixar cheios de orgulho. Mais do que isso é a garantia que assim a desigualdade e a conflituosidade social diminuem. Entidades como o antigo ACIME com o seu trabalho no terreno e a Gulbenkian e outros centros de estudo no apoio teórico estão todos de parabéns. Porque... Portugal também pode ser um exemplo!

Portugal é o segundo país de uma lista de 28 (25 Estados-membros da União Europeia, Canadá, Noruega e Suíça) com melhores políticas de integração de migrantes, nomeadamente no acesso ao mercado de trabalho, reagrupamento de famílias e práticas contra a discriminação.

As conclusões fazem parte do estudo "Index de Políticas de Integração de Migrantes 2006", ao qual a Lusa teve hoje acesso e que será apresentado amanhã em Lisboa, um trabalho feito por um consórcio de organizações europeias, lideradas pelo British Council e pelo Migration Policy Group, em Bruxelas.

No topo da tabela surge a Suécia, com uma média de 88 pontos (em cem possíveis) em seis itens de análise: acesso ao mercado de trabalho, reagrupamento familiar, residência de longa duração, participação política, aquisição de nacionalidade e antidiscriminação.

Portugal surge no segundo lugar, com 79 pontos, seguido da Bélgica (69 pontos), Holanda (68 pontos) e Finlândia e Canadá (ambos em quinto lugar, com 67 pontos).

No global, os Estados-membros da União Europeia estão a fazer apenas metade do que poderiam fazer para melhor integrar os migrantes, consideram os investigadores do consórcio de 25 organizações europeias - em Portugal, a parceira é a Fundação Calouste Gulbenkian.

O estudo faz um "ranking" das políticas destinadas a integrar os 21 milhões de migrantes em 25 Estados-membros, bem como no Canadá, Noruega e Suíça, analisando 140 indicadores que incluem: direitos dos imigrantes no local de trabalho, oportunidades para se fixarem de forma permanente no país-destino, leis de combate ao racismo e à discriminação e possibilidade de reunificação de famílias.

Nos piores lugares da tabela surgem a Eslováquia e a Grécia (40 pontos de média), Áustria e Chipre (com 39 pontos) e Letónia (30 pontos).

15.10.2007 - 18h48 Lusa

Sem comentários: