segunda-feira, março 23, 2009

momento zen de puro benfiquismo

Os sportinguistas estão indignadíssimos com um penálti mal assinalado pelo sportinguista Lucílio Baptista. Concordo com eles, mas pecam por defeito! Eu estou revoltado com a incompetência que esse sportinguista tem demonstrado ao longo de TODA a sua carreira.

Vejamos a estatística: ao longo da carreira, assinalou 3 grandes penalidades a favor do FCPorto e 3 grandes penalidades contra o mesmo clube regional; assinalou (contando com a de sábado) 6 grandes penalidades a favor do Benfica e 6 grandes penalidades contra o Glorioso; assinalou 3 grandes penalidades contra o Sporting e 8 a favor!! Expulsou 8 futebolistas do Benfica e 6 dos adversários. Expulsou 4 jogadores do Sporting e 10 dos adversários. Este árbitro apitou 39 jogos do Benfica, ganhámos 18… menos de 50%. Não me esqueço das expulsões ridículas de Valdo, Poborsky, Simão ou Ricardo Rocha (este, então, foi de antologia). Lembro-me, e bem, da forma espúria como Lucílio expulsou duas vezes o Léo .

Portanto, eu vejo os sportinguistas a, finalmente, exigirem o que há muito tempo tenho pedido: que este senhor não apite nem mais um jogo! Mas peçam-no não em nome de uma grande penalidade mal assinalada, mas sim em nome de uma carreira de vergonhosa dualidade de critérios.

Tal como os sportinguistas esperam há 48 horas por um pedido de desculpas, também eu espero, há muitos anos, pelo mesmo acto de contrição. Nunca chegou! (...)

Pedro Ferreira in Tertúlia Benfiquista

1 comentário:

Me, Ren and Stimpy disse...

Olá, sou sportinguista e sai do armário, já lá vão uns valentes anos eheheh. Quanto a este assunto o lance em si é um pouco absurdo, até por toda uma série de aspectos que me foram explicados por pessoal que sabe bem mais do que eu acerca das lides do futebol. Contudo Ainda mais absurdo é o tempo de agenda mediática que este assunto ocupou, mais absurdo é haver quem perca tempo em fazer estatísticas como estas.

E como acho que nunca por aqui comentei.

Parabéns sinceros pelos "textos" abraço bem grande