domingo, abril 12, 2009

futuro encarnado?

Este post é sobre o Benfica. Aliás, triste sina, esta de escrever sobre o Benfica. De escrever algo de novo quando nada muda... E o marasmo se instala. Ou já se instalou. Há muito...
Ontem levei a Susie pela primeira vez ao estádio. Uma simples benfiquista por simpatia que nunca havia sentido a mística, a garra, o amor ao clube. E ainda não o sentiu...
Depois do jogo troquei palavras desiludidas com o Aires. Tal como as palavras que ecoaram o resto da noite nas bocas dos benfiquistas que navegavam nas ruas de Lisboa. Com cachecóis, cada vez mais escondidos dentro dos casacos.

Para este post vou partir de algumas ideias que o Aires me transmitiu por mensagens:

- o Benfica tem de descer à terra e deixar-se de megalomanias... mas vem ai a pré-época e os jornais já começam a atirar nomes, os adeptos a esfregar as mãos de contentes a dizer que é desta, o presidente a falar em conquistas europeias e a pedir mais um esforço aos adeptos... a paixão pelo Benfica é irracional e o facto de quase 170 mil bancarem no mínimo 100€ anuais olhando ao percurso da equipa nos últimos anos é sinal dessa fidelidade, mas o facto é que noto esmorecimento. Não é a toa situações como a do Afonso. Conheço muitos outros assim. O Benfica tem vindo a sufocar no seu gigantismo.

- A questão nem é tanto os jogadores (embora também tenham quota parte), é mesmo todo o circo montado à volta do clube. Enquanto isso não mudar...

- A culpa é do megalómano do presidente... a estrutura conta e muito. Do Quique falo porque a equipa tacticamente nada mostra. Não há trabalho feito, excepção às bolas paradas. Não notas que os jogadores tenham crescido como acontece com o porto de jesualdo. E isso é culpa do treinador. Mas, o problema é mais profundo do que isso. É própria cultura do clube. E isso é fodido de mudar.

- Pois. É o tal esmorecimento de que falo. Fazia bem baixar as expectativas, mas a realidade é que a massa adepta não iria permitir... Hoje estou com um melão (...).

Depois disso passei um pouco por alguns blogs benfiquistas e as opiniões variam entre uma segunda parte que nem foi má, o azar, a arbitragem, o quique, os jogadores, o presidente... E se o problema como o Aires refere for mesmo o clube?

Hoje somos apenas um clube médio europeu. Um grande-pequeno em Portugal. Temos isso sim uns grandes adeptos. Ou melhor... muitos adeptos. Porque se formos a ver a grande maioria que vai ver os jogos só puxa pela equipa quando a equipa puxa por eles. E é sempre assim. Continuam a ser poucos os que berram o jogo todo. Os que não esmorecem. São quase sempre os que percorrem todo o país e Europa e que já aprenderam muito na Irlanda, Inglaterra, Alemanha, Holanda, Itália, Espanha... com outros grandes adeptos. Um primeiro problema encontra-se dolorosamente na quantidade dos adeptos. Talvez nos tenhamos tornado na juventude de um partido que só se interessa em número de militantes e não na qualidade da participação...

Depois temos um problema de relatividade. Não podemos comparar a realidade dos anos 60 com a actual e não podemos sonhar voltar a ser o que fomos. Os tempos hoje são os dos grandes negócios de jogadores e de elevados valores de publicidade e transmissões. E nisso, a nossa realidade periférica asfixia-nos. A todos os clubes portugueses, até ao Porto que ganha lá fora. E se me permitem ser um pouco duro... ao contrário do que se lê por vezes mesmo nos anos 60 o Benfica não foi o maior da Europa... isso era o Real Madrid. De longe.

E chegamos talvez ao pior problema de todos: a organização e a exigência. Quando vemos a realidade de outros clubes internacionais, e infelizmente também do porto notamos que o nível organizacional é sempre muito superior e isso verifica-se numa cultura de exigência de resultados muito superior. Estes resultados não são apenas no campo. Aliás o campo é apenas a parte visível para o comum dos adeptos. Ou seja, quando uma contratação falha há que compensa-la ou tentando recolocar o jogador no mercado ou apoiando-o. Quando um problema interno surge é debatido internamente e não nos escaparates dos jornais. Monstros ávidos de sangue e carnes mortas. A exigência de resultados vê-se na vitória e na derrota. Após a vitória contra o Estrela o Benfica só treinou na segunda às 17h... Porquê? Precisávamos de dar descanso aos jogadores exaustos da Champions e Taça de Portugal? A resposta é simples: animicamente a equipa já está desfeita. Há muito. Bem antes da Taça da Liga. É um problema global e estrutural. De todo o clube.

O Benfica vai terminar esta época em 3º lugar. Neste último mandato, e pela primeira vez na história do clube, o Benfica nunca foi campeão nem vice... É por isso que digo que a culpa não é dos 6 ou 7 treinadores que por aqui passaram... o Quique pode ser mais fraco do que se imaginava... talvez... mas o Presidente Vieira há muito que foi ultrapassado pelo tempo. Pelo tempo dos resultados. Antes era o Rui Costa, agora será o regresso do Simão, Petit ou Miccoli... regressar sempre ao passado e nunca pensar em futuro. Não ver que o Benfica nos últimos anos tem tido equipas de juniores a lutar pelo título. Alguns jogadores são bons, outros não. Mas sentem a camisola como muitos crescidos não sentem.

Isto leva-nos a outro ponto: a questão da mística. Isso é um aspecto singular da cultura benfiquista. Ela existe, mas não se descreve. Só sente quem a tem... É uma espécie de religião inexplicável. Como todas. Ou seja é uma treta. No futebol actual não há lugar para misticismos, apenas para brio profissional. Ou seja, o Porto ou o Barça não têm mística têm antes jogadores que têm que dar o litro como profissionais que são. No Benfica temos poucos... Maxi Pereira, David Luiz, Ruben Amorim, Nuno Gomes... podem não ser muito dotados tecnicamente ou tacticamente mas têm garra e dão tudo o que podem (infelizmente por vezes é mesmo muito pouco). E na construção de uma equipa é isso que é necessário: Brio. Como eu ou tu no nosso trabalho.

Eleições precisam-se. Urgentemente. Para mudar algo. Ou não. Porque provavelmente quem aí vem não fará melhor. Nunca fazem... o sporting vai desaparecer em 10 anos... o Benfica em pouco mais. Benfica aos benfiquistas...

Sem comentários: