domingo, maio 24, 2009

Cine Qua Non

Uma das principais características da modernidade talvez seja o paradoxo de os projectos e sonhos de uma vida estarem ao alcance de cada um. À distância de uns cliques. Se por um lado é cada vez mais fácil, e até mais barato, disponibilizar textos, imagens, música a mil e uma pessoas. Conhecidas e desconhecidas. Por outro é cada vez maior a pressão, senão mesmo competição. Ou seja, encontramo-nos hoje a viver uma absurda contradição: o fácil está mais difícil.

É exactamente por isso que os projectos jovens dos jovens são e têm que ser sempre motivo de atenção e destaque. Revistas como a Bíblia ou a Callema têm sempre que ser referidas e relembradas. Para não desaparecerem no fundo baú do depois-logo-vejo-isso.
É exactamente por isso que o surgimento de uma nova revista tem que ser motivo de destaque. Cine Qua Non - é a jovem revista com nome de gente grande. Aqui fica ela à distância de um clique... http://www.cinequanon.pt


Ter uma publicação é um desejo de há muito tempo. Construir uma publicação como esta, numa nova era da sua possível reprodutibilidade digital, é consumar esse mesmo sonho mais antigo somado à forte vontade de reunir alunos de estudos artísticos.
Reunir artistas. Reunir as artes.
Das universidades, dos teatros, dos estúdios, dos ateliês, das salas de espectáculos, das salas de aula vêm alunos de mestrado e doutoramento, professores e artistas que aqui se reúnem na escrita.
Unidos pelas artes, aliando a teoria à prática, cá dentro ou lá fora,do palco ou do público, manifestam as suas ideias, as suas dúvidas,as suas certezas e incertezas. As suas inovações. Criações. Explicações. Interrogações.

Interrogada várias vezes sobre o título escolhido, sinto-me na obrigação de o explicar. O título tem uma história que se inicia o ano passado em Amesterdão com uma loja de cinema com o mesmo nome, passa por um título de um filme para um projecto
académico e, ganhando uma considerável e agradável saudade e afeição, fixa-se aqui. Cine Qua Non pode assim ser facilmente confundida, logo à partida, com uma revista dedicada ao cinema. Isso é um risco assumido, mas desde já, e para que não restem dúvidas, fica o esclarecimento.

Ana Luísa Valdeira da Silva in editorial

Sem comentários: