quinta-feira, julho 23, 2009

com Augusto Abelaira

Estávamos no café
uma tarde de sábado
como antes quantas vezes
porém desta vez sós

e à minha pergunta
sobre o seu corpo vivo,
o fim está à vista
respondeu;

o silêncio
seguiu-se por um tempo
como se entre nós os dois
se erguesse já a morte

Gastão Cruz in A moeda do tempo

Sem comentários: