domingo, julho 12, 2009

e mais uma vez a esquerda vai separada...

Decididamente a esquerda insiste em não aprender...
...depois queixem-se quando o PSL for novamente presidente da câmara de Lisboa e voltar a enterra-la em dívidas, em túneis, em revistas no parque mayer, afaste o arraial gay do centro e menospreze os eventos culturais que voltaram a colocar Lisboa no panorama internacional. Depois queixem-se...

Não foi por falta de esforço como se prova hoje no Público:

António Costa assinou esta tarde um acordo com o vereador José Sá Fernandes, eleito pelo Bloco de Esquerda (BE), e apresenta amanhã a sua candidatura à Câmara de Lisboa. Mas a verdade é que até há poucas semanas fez uma tentativa de última hora para ainda conseguir um acordo do PS com PCP e BE para o município da capital.

O PÚBLICO apurou que um dos derradeiros esforços foram feitos com o BE, já depois das eleições europeias, em que o PSD venceu e os socialistas saíram derrotados. Com o PCP, os contactos são mais antigos.

Em ambos os casos, tudo acabou em nada, a exemplo do que já tinha acontecido antes. Até porque tanto os comunistas, com Ruben de Carvalho, como os bloquistas, com Luís Fazenda, já tinham lançado os seus candidatos à maior câmara do país.

Hoje, depois da assinatura do acordo que permitirá a Sá Fernandes um lugar elegível nas listas do PS, António Costa deixou em aberto a hipótese de novos entendimentos para “o alargamento da base de apoio” da sua candidatura, mas não disse com quem. No limite, “com os lisboetas”.

Contente com os apoios recebidos nos últimos dias — entre eles o do escritor comunista e Nobel da Literatura José Saramago —, Costa anunciou também que o seu mandatário financeiro será António Pina Pereira, que tivera a mesma função na candidatura presidencial de Manuel Alegre.

Já José Sá Fernandes, com uma agenda verde, garantiu que continuará a “virar a página” da política ambiental sem pensar muito na transferência dos votos do partido que o elegeu, o BE, para o PS. “Ninguém é dono dos votos de ninguém”, afirmou, parafraseando Alegre.

Sem comentários: