domingo, dezembro 13, 2009

editor, editóris

sou coração (...)
tenho uma palavra ilegível.
não a percebo.
[...] salto parágrafos sem fim.
até ao fim.
suprimir, acrescentar, mudar.
edito as minhas palavras.
procuro ser o publisher dos meus sentimentos.
nada feito.
hoje não há mais print para ninguém.

Sem comentários: