sexta-feira, dezembro 11, 2009

não me chames mais

não me chames mais Midas.
que não tenho o toque especial.
não quero a companhia de Sileno
e o Baco não me abre mais a porta.

não me chames mais Midas.
que não tenho mais tempo para venerar.
não quero ouvir Pã
e de Apolo quero apenas distância.

não me chames mais Midas
que não sei como reinar.
e se pudesse escolher a minha morte
ficaria no jardim das Hespérides para a eternidade.

não me chames mais Midas
que não sei mais quem sou.
sou um rei de pobres
rodeado do que não vê.

não me chames mais Midas.
chama-me apenas por tu.
e resta, aqui, a meu lado.

1 comentário:

Anónimo disse...

Te cales a boca