sábado, janeiro 16, 2010

"agora é deus que manda no haiti"

Sem polícia e com as poucas tropas no terreno ocupadas nas missões de resgate e ajuda humanitária, gangues armados com catanas e armas de fogo percorriam as ruas, roubando e lançando o pânico entre os indefesos e miseráveis desalojados. O desabamento da prisão local deixou à solta mais de quatro mil condenados.
A população concentrada em parques, campos de futebol e nas principais artérias começava a organizar grupos de vigilantes para se proteger dos bandidos. Com a terra ainda a tremer – ontem sentiu-se uma réplica com uma intensidade de 4,5 na escala de Richter – os habitantes de Port au Prince recusam viver dentro de qualquer edifício. Em todo o caso, não há muitos lugares que possam ser ocupados: a ONU estima que mais de 50 por cento das construções tenha sofrido danos consideráveis e que dez por cento tenha ficado destruída.


in Público, 16 Jan 10

nota: deus? ou o diabo? ou já nem sequer existe ordem que explique o que se vive? quando ao contrário dos cenários "normais" de guerra já nem se respeita os comboios humanitários e se mata, como acabou de acontecer, de forma violenta dois colaboradores nesta missão, não há lógica que explique o que se está a viver naquela ilha que até há uma semana se encontrava esquecida pelo mundo.

Sem comentários: