sexta-feira, fevereiro 26, 2010

história de amor XVIII

em cima da mesa. a um canto de uma folha de jornal rasgado. palavras escritas à pressa.

"querida s.

devíamos tentar. não é fácil. mas devíamos tentar. lá fora é sempre assim. tenta-se. ganha-se. ou perde-se e segue-se em frente. devíamos tentar.
espero-te no comboio desta noite.
beijo.

do teu t."


só isto. ela leu e releu. e não conseguia tomar uma decisão. talvez devesse tentar. mas custava tanto...

Sem comentários: