sexta-feira, junho 18, 2010

José Saramago (1922-2010) - algumas reacções

«O Presidente da República, Cavaco Silva, recordou hoje José Saramago como um “escritor de projecção mundial”, sublinhando que o Nobel português “será sempre uma figura de referência” da cultura nacional.» Ler no Público.

«O primeiro-ministro considerou hoje que José Saramago foi “um dos grandes vultos” da cultura, dizendo que o país se “orgulha” da sua obra literária e que a sua morte constitui uma perda para a cultura nacional.» Ler no Público e jornal i.

«José Saramago "deixa um legado poderosíssimo do escritor" que foi "a afirmação da literatura portuguesa na cena internacional como provavelmente antes dele nunca tinha sido conseguido", disse hoje a ministra da Cultura Gabriela Canavilhas.» Ler no Público e no jornal i.

«O ministro dos Assuntos Parlamentares, Jorge Lacão, disse hoje que a morte de José Saramago "representa uma perda para a cultura portuguesa".» Ler no Público.

«O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, referiu hoje que recebeu a notícia da morte de José Saramago com “profunda consternação”, destacando a “obra literária intemporal” do escritor e Nobel português.» Ler no Público.

«O CDS-PP assinalou hoje as suas discordâncias “ideológicas” com o escritor José Saramago, considerando, contudo, que o prémio Nobel “contribuiu decisivamente” para “dignificar” e “divulgar” a língua portuguesa por todo o mundo.» Ler no Público e no jornal i.

«O líder parlamentar do Bloco de Esquerda, José Manuel Pureza, lembrou hoje José Saramago como “um escritor sempre insubmisso” no estilo e nas causas que defendeu e um homem que “combateu a cegueira social”.» Ler no Público e no jornal i.

«José Saramago morreu hoje aos 87 anos e as reacções à morte do escritor têm chegado de vários nomes do mundo da cultura nacional e internacional.» Ler no Público.

«O fadista Carlos de Carmo, que deu voz a poemas de José Saramago, hoje falecido, afirmou que se sente “profundamente consternado”.» Ler no jornal i.

«"O que mais admirava em Saramago era a sua vitalidade e a sua combatividade de homem que acreditava em causas", declarou à Lusa o escritor angolano José Eduardo Agualusa. Ler no jornal i.

«A Câmara da Golegã, onde nasceu José Saramago, colocou hoje a bandeira municipal a meia haste para lamentar a morte do escritor, um “génio literário” considerado “um dos mais ilustres filhos do concelho”.» Ler no jornal i.

«O actor e encenador Diogo Infante lamentou hoje a morte de José Saramago, que recebeu com “tristeza”, por considerar o escritor “um símbolo de identidade nacional”, independentemente de se gostar ou não da sua obra.» Ler no jornal i.

«A professora universitária Ana Paula Arnaut, especializada na obra de José Saramago, disse hoje à agência Lusa que a morte do escritor traduz “uma grande perda para a literatura portuguesa”.» Ler no jornal i.

«O escritor José Saramago “era um homem controverso, como todas as grandes personalidades, mas cultivava uma proximidade discreta e secreta com Portugal”, afirmou hoje o ex-ministro Manuel Maria Carrilho à Agência Lusa em Paris.» Ler no jornal i.

«A morte de José Saramago é "um momento de grande pesar e de grande perda para a literatura e a cultura portuguesa", considerou hoje, em declarações à agência Lusa, o escritor José Luís Peixoto.» Ler no Diário de Notícias.

«A ex-ministra da Cultura Isabel Pires de Lima considera José Saramago, hoje falecido, "um escritor marcante da segunda metade do século 20", com "um lugar muito particular na literatura portuguesa".» Ler no Diário de Notícias.

«A escritora Lídia Jorge lamentou hoje, com grande comoção, a morte de José Saramago, definindo-o como "um escritor genial" e também "um exemplo de coragem, pela sua coerência".» Ler no Diário de Notícias.

«O reitor da Universidade Aberta, Carlos Reis, lamentou hoje a morte de José Saramago que, "embora esperada", foi um "choque", já que, além de "leitor e grande admirador" do Nobel da Literatura, era também seu amigo.» Ler no Diário de Notícias.

«O escritor Mário Cláudio afirmou hoje que José Saramago é "uma figura indiscutivelmente maior das nossas letras", considerando "triste e inesperada" a sua morte.» Ler no Diário de Notícias.

«O presidente da Associação Portuguesa de Escritores, José Manuel Mendes, referindo-se ao falecimento hoje, em Lanzarote, de José Saramago, 87 anos, afirmou que se perdeu "uma referência luminosa".» Ler no Diário de Notícias.

«O editor e amigo de longa data de José Saramago, Zeferino Coelho falou em instantes com a SIC e considerou Saramago deixava um legado, um 'monumento': "Saramago deixa esse monumento como o Eça ou o Garrett", sustentou.» Ler no Correio da Manhã.

«O secretário geral do PCP, Jerónimo de Sousa, manifestou hoje “profundo pesar e enorme mágoa” pela morte de José Saramago, militante comunista desde 1969, e considerou que o escritor “merece a homenagem” do luto nacional.» Ler no jornal i.

Sem comentários: