segunda-feira, junho 21, 2010

quando um homem como Saramago nos deixa

Diz a lenda o que a história não confirma: que, no tempo em que Sófocles morreu, a Atenas que tanto o venerou e que tão venerada foi por ele se encontrava cercada pelos espartanos. A aldeia natal do dramaturgo encontrava-se então fora de portas, inacessível aos atenienses. O deus do teatro apareceu então nos sonhos de Lisandro, o general das tropas sitiantes. Ordenava que abrissem alas para dar passagem ao cortejo funerário. Lisandro obedeceu sem hesitar. Todos, atenienses e espartanos, se inclinaram com vénia e com lamento, ante o corpo do grande criador. Não consigo fazer elogios fúnebres. Digo “não” ao louvor de circunstância. Palavras e palavras vão cair com um grande barulho neste dia e todas elas ficarão aquém da grandeza deste homem. Que houve entre nós um luminoso afecto é coisa que me diz respeito a mim e sobre a qual não tenho que escrever. Que tenho um pensamento de triunfo é o que eu gostaria de explicar. Porque há aqui triunfo: a plenitude de um cidadão inteiramente dedicado à sua polis e aos seus contemporâneos. E a plenitude de um “poeta”, daquele que faz obra e é por ela tornado glorioso. É o homem na sua existência absoluta. O homem que, sabendo-se mortal e não acreditando num Além, se empenha soberbamente em viver e criar com um fulgor e com uma coragem que os crentes desconhecem ou receiam.
Para além do meu preito pessoal, que não se há-de resumir a depoimento, eu imagino aqui uma cidade que o leva em ombros – e os inimigos a abrirem caminho e a curvarem-se. Se os gregos inventaram esta lenda, é para que a memória a active quando um homem como Saramago nos deixa.

Hélia Correia

nota: A Espanha, e os seus mais altos representantes, mais do que prestar apenas a homenagem à figura de Saramago soube-nos dar uma lição e ensinar os políticos portugueses... Brilhantes as declarações de Rajoy e Zapatero sobre o falecimento do escritor português. Mas, quando digo brilhantes quero mesmo dizer isso... não foram apenas mais uma "chapa 3" tirada do baú das etiquetas e boas maneiras. Assim, na forma como se tratam as suas figuras, se mostram as diferenças de cultura entre povos. Por cá tivemos apenas a escritora Hélia Correia com este belo e sentido apontamento.

Sem comentários: