domingo, julho 18, 2010

histórias de amor XXI

a noite já acabou há muito e contudo um sabor amargo mantém-se na boca. as nossas últimas palavras trocadas ressoam sem fim na lembrança vazia.
como chegámos aqui? onde ficaram as paragens intermédias? porque não saí antes, quando o comboio ainda sabia travar?
agora é tarde. todo o barulho me enche, me transborda, e me fere de mansinho.
oiço-os por toda a casa. incomoda-me. quero e preciso de um silêncio em forma de casa.
gostava quando podia estar contigo sozinho e em silêncio. só a tua respiração. e eu ali.
hoje tudo acabou. e eu fico aqui
no meio dum ciclone de vozes.
imerso no meu choro
de sorrisos falsos.

1 comentário:

Pilar disse...

silêncio em forma de casa! =)Gosto!