terça-feira, julho 13, 2010

num dia como amanhã

este foi mais um dia duro.


tu aí e eu aqui.
num aqui que pode ser qualquer lugar, qualquer tempo, qualquer vida.


hoje o sol nasceu, juro-te. mas tu nem o viste.


a janela ficou fechada.
manhã fora, tarde dentro, olá noite.
perdes a voz. e eu aqui.


já te disse que não sei mais escrever este fim de história.
leio e releio os contos que criaste para me adormecer quando pequeno e
contudo
não os consigo tornar vida.


onde está o principe? onde ficou o final feliz que merecias?
que porta velha encerra o teu futuro?


e por isso amanhã vou contratar um velho escritor de sucesso
e fazer dele o único autor da tua fortuna.

Sem comentários: