sábado, julho 17, 2010

(O silêncio dos jogadores de xadrez)

O silêncio.
Não, os silêncios.
Poderia escrever um breve ensaio sobre o silêncio. Ou antes, um catálogo de silêncios para a boa ilustração dos surdos - Supondo que quem viva em pleno silêncio não saiba em que consiste o silêncio. Um cego sabe em que consiste a escuridão?:
O silêncio que precede as emboscadas;
O silêncio no instante do pénalti;
O silêncio de uma marcha fúnebre;
O silêncio dos girassóis;
O silêncio de Deus depois dos massacres;
O silêncio de uma baleia agonizando na praia;
O silêncio das manhãs de domingo numa pequena aldeia do interior do Alentejo;
O silêncio da picareta que matou Trotsky;
O silêncio da noiva antes do sim.
Etc.
Há silêncios plácidos e outros convulsos. Silêncios alegres e outros dramáticos. Há aqueles que cheiram a incenso, e os que tresandam a estrume.


by José Eduardo Agualusa

Sem comentários: