quarta-feira, novembro 03, 2010

"Nada, só vim ver beber."

Alguma coisa não bate certo
Ontem, fui ver ver o jogo do Benfica. Não fui ao estádio da Luz, pagando entre 12 e 75 euros por um lugar, nem me refastelei no sofá vendo a RTP-1. Em vez dessas soluções fáceis (e até baratas: na RTP-1, era de borla), decidi-me por um momento cultural, de metalinguagem, de linguagem que fala de linguagem. Então, sintonizei o Canal Benfica. O meu televisor mostrou-me dois tipos a relatar o jogo, atentos, eles, a um televisor que eu não via mas que lhes mostrava, a eles, o jogo. "Ao vivo e a cores", disse, do espectáculo, um deles. O que eu via no meu televisor era um cenário cinzento e parado, com duas caras olhando-me, mas se me garantiam felicidade feérica, como não acreditar? Os dois, a meio corpo, e o da minha esquerda com olhos alucinados - o que é inevitável em quem passa hora e meia a seguir e a narrar alto as peripécias rápidas de um jogo de futebol visto num televisor. O da direita só comentava, podia permitir-se um sorriso irónico. O Benfica ganhou 4-3, depois de ter estado a ganhar 4-0, o que levou o relator a dizer: "Isto é, diria eu, inacreditável." Inacreditável, a palavra foi dita. No fim do jogo, desci ao bar da esquina. "O que toma?", perguntou-me o empregado. Respondi: "Nada, só vim ver beber." Amanhã vou propor ao Benfica o Canal Benfica 2. Basicamente será eu, filmado a meio corpo e de frente, no meu sofá, a dizer que estou a ver o Canal Benfica. 

Ferreira Fernandes in DN

1 comentário:

HMM disse...

Esta está boa.