sexta-feira, janeiro 14, 2011

poeta

Afasta-te de mim, ó hora
o teu adejar feridas em mim cria
só: que farei com a minha boca agora?
com a minha noite?
com o meu dia?

Amada não tenho, sem casa estou
sem qualquer lugar onde viver
todas as coisas às quais me dou
enriquecem e gastam o meu ser.


Rainer Maria Rilke, in As anotações de Malte Laurids Bridge, Relógio d'Água

Sem comentários: