terça-feira, março 01, 2011

palavras a duas mãos

Em todas as esquinas da cidade
nas paredes dos bares à porta dos edifícios públicos nas janelas dos autocarros
mesmo naquele muro arruinado por entre anúncios de aparelhos de rádio e detergentes
na vitrine da pequena loja onde não entra ninguém
no átrio da estação de caminhos de ferro que foi o lar da nossa esperança de fuga
um cartaz denuncia o nosso amor.


Daniel Filipe in A Invenção do Amor
 ____________________________________

Inventemos então
                         a nova forma de amor.
Pensemos então
                      essa palavra,
                      essa palavra que traz
tanto
dentro de si.

És tu e eu
             e todo um mundo atrás.

É o amar o amor
que deveras se sente,
quando a fórmula mágica surge na folha,
                                               no cartaz,
                                               no jornal de domingo à tarde.

Inventemos então
                         a nova forma de amor.

Sem comentários: