terça-feira, abril 12, 2011

somos

as tuas palavras,
e
os meus silêncios.
somos as tuas palavras,
e
somos os meus silêncios.
redesenhemos então o espaço.
que recriar a geometria
é viver um pouco mais no outro.
morde o lábio profícuo de paixão, amor.
cerra os dentes, amor.
respira, amor.
que hoje o teu baton é mais
carmim.
é assim intenso na minha memória.
e a nossa folha alva
que repousa a um canto
fica mais folha.
porque
somos as tuas palavras,
e
somos os meus silêncios.

1 comentário:

Anónimo disse...

só queria escrever que é bonito, este conjunto de palavras assim arrumadas em lugares-significados quase perfeitos..