terça-feira, abril 12, 2011

um mais um mais um

#1
Rasguem as praias da Oberkampf
que o mercado do décimo primeiro
é feito das frutas
mais coloridas.
Vejo nele o cristão e o muçulmano
abraçando as noites
em que o cravo e rosmaninho são
o aroma
da caravela final.
Tu sabes que não encontro a estação seguinte
e o nosso mar transbordou há muito
por esse carril em curva.
Tu sabes.

#2
Da Primavera que voa até nós
emerge a cor
airosa
da luz que pousa sobre ti.
É fresca a manhã de Maio
mas
eu hoje choro um pouco mais
porque sei que é mais acre
o pestilento cheiro
daquele fim
que chega com os amores de verão.

#3
Nada tenho em comum
com o nefasto fantasma
que habita
os teus mais teus medos.
Sou carne
com osso nas beiras.
Sou um homem que não chora.
Sou um homem que não sente.
Sou um homem que não vê a dor chegar.
Faço-me beirão num funeral mal-amanhado
e só agora vejo
que morri muito antes da sepultura se abrir
na montanha.
E morro.
Feito um fantasma dos teus.

1 comentário:

Anónimo disse...

Não fosse o título perfeito a justificar tudo e isto seria uma confusão.