quinta-feira, maio 12, 2011

A um Homem do Passado


Estes são os tempos futuros que temia
o teu coração que mirrou sob pedras,
que podes recear agora tão fundo,
onde não chegam as aflições nem as palavras duras?


Desceste em andamento; afinal era
tudo tão inevitável como o resto.
Viraste-te para o outro lado e sumiram-se
da tua vista os bons e os maus momentos.


Tu ainda tinhas essa porta à mão.
(Aposto que a passaste com uma vénia desdenhosa.)
Agora já não é possível morrer ou,
pelo menos, já não chega fechar os olhos.

Manuel António Pina, in «Nenhum Sítio»

Prémio Camões. Ficam os Parabéns a um homem que não é apenas do passado. Foto retirada do «Da Literatura».

Sem comentários: