quarta-feira, julho 20, 2011

Entretanto

Não há que ter ilusões:
nós também somos

o fim da nossa estrada.
Com estas mãos,

com este mesmo coração
é que chegamos

ao cabo do futuro
à extrema situação

de que partimos.
Mas, entretanto,

escrevamos.

Rui Pires Cabral

Sem comentários: