quarta-feira, agosto 10, 2011

Inglaterra trocada por miúdos



Este vídeo é muito provavelmente um dos melhores exemplos do que está por detrás dos riots ingleses. Tudo. E nada. E é assim para tristeza dos muitos que viram no 12 de Março português, nas manifestações árabes, nas revoltas suburbanas de Paris um novo mundo. Uma revolta real e sentida. Nada disso. Tudo o que move a maior parte dos revoltosos "universais" ou são as meras necessidades básicas e menos básicas, veja-se o interesse dos "revoltosos" ingleses em LCDs, ou o aproveitamento político de certas correntes da sociedade.

Quem viu algo nas revoltas e manifestações do norte de África já há muito se esqueceu. Ou apenas discute fervorosamente os próximos passos da revolução no seu iPhone, no seu blog, no seu portátil de topo. Anda meio mundo de bloggers portugueses a falar na revolução a chegar a Portugal. Todos serão os segundos a ir para a rua. Só não há primeiro. Ninguém quer dar o primeiro passo. Nem para lutar pelos outros direitos que estamos a perder... como os transportes públicos. Esqueceram-se da Síria, deixam a descida da avenida da Liberdade para depois do verão. 

Estamos a ver em primeira mão na tv, no facebook ou no twitter, tudo o que merecemos. Fazem-se crescer miúdos fast-food, sem acompanhamento nem dinheiro. Cheios de sonhos, ilusões e quereres. Todos querem a fama rápida e fácil. Os miúdos têm culpa. Os pais mais ainda. Os governos que encerram os centros de dia e outros apoios sociais têm ainda outra parte da culpa. O problema nisto tudo é que se a culpa divide por muitos, ninguém a sente como sua. É assim nas ruas inglesas, é assim nos gabinetes londrinos.

Sem comentários: