quinta-feira, dezembro 08, 2011

Esta vida assim assim

Ainda nos poder inventar o mar
é maneira única de dizer o que por ora temos
e nem temos outra coisa e nem queremos
Trazia-te os olhos nos meus
entretanto certa sorte de os saber nos meus
à moda de coreto num dia à tarde
e agora devagarinho
agora dando de beber nos meus
tem um encantamento que avalia isto de ser assim
e mais não ter que uma vontadinha
ou forma contente de somente agradecer
Ainda nos podem afinal inventar o mar
Do meu lugar ao teu é esta vida assim assim
um redondo de por aí ir querendo rebolando
de ainda se ser assim assim
assim tão nos teus meus olhos
que a própria natureza de rebolar
não escolhe vagas nem encolhe portos
é pateta e é coisa nossa, gente do mar.

Hugo Milhanas Machado in Roupas beras, 2010
(poema presente no #9 do PROJECTO10)

Sem comentários: