segunda-feira, fevereiro 06, 2012

até que...

os seus dias eram cada vez mais longos, com a cama a agarra-lo pelos braços, e as manhãs a enganarem o desejado sol quente.
as tardes eram um back and forward, um eterno regresso às origens, um loop reinventado.
as noites chegavam cedo. e o inverno tapava-lhe o futuro.
ele fazia, refazia e desfazia. sentia que desaprendia a cada movimento da borracha e do delete. sabia que era um pouco dele que desaparecia ao fim do dia.
e assim os sorrisos foram morrendo. assim. aos poucos.
até que...

Sem comentários: