segunda-feira, fevereiro 20, 2012

A visão dos media sobre a crise


Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2012 
15:00 até 17:00 
Picoas Plaza - CES Lisboa

Para além das mudanças económicas e sociais no quotidiano dos indivíduos, nada afirma mais a atual situação de crise do que os media: "Portugal vítima da guerra ao euro"[Correio da Manhã, 15/01/2012], “S&P corta rating a nove países, França perde AAA e Portugal passa a ‘lixo’”[Público, 13/01/2012]. Estes são só alguns dos exemplos que podem ser apontados nas últimas manchetes dos jornais diários portugueses. Podemos, ainda, citar os especiais da televisão a ensinar como viver cortando no orçamento doméstico ou os encartes especiais das revistas semanais a explicar “tudo” sobre a crise. Até mesmo as publicidades são invadidas com a temática e lembram o passante de que “O mar não está para peixe, mas no mercado X a pescada está a preço de banana”. Com um olhar rápido pelos meios de informação confirma-se: “Estamos em crise!”.

Partindo desta constatação, as questões a seguir (e tantas outras) se fazem necessárias: É possível que os media sejam agentes que contribuam para um debate que dê solução à crise ou, simplesmente, tornam-se “transmissores” de informação, isolando-se e protegendo-se na ideia de isenção jornalística? Os media têm poder para ampliar o debate e fornecer propostas de soluções? É necessário que os jornais entrem neste debate assumindo linhas políticas (por vezes evidentes)? Em qual medida a cobertura sobre a crise associa-se aos interesses políticos e económicos dos grupos mediáticos? Até que ponto a temática deve ser tratada de forma alarmistas? Qual a ação e importância dos media alternativos como contraponto do mainstream jornalístico? Como as redes sociais estão a transformar a produção e veiculação das informações sobre a crise? Há “criminalização” e/ou silenciamento sobre as mobilizações sociais nas informações divulgadas pelos media após as medidas de austeridade?


Inserido no Ciclo "Democracia e austeridade: Portugal em debate", este encontro visa discutir sobre estas e outras questões com os seguinte convidados:

José Luís Garcia- Investigador do Instituto de Ciências Sociais

João Tibério – Historiador (pós-graduado em R. I) e tutor na Universidade Aberta; Editor júnior na editora Dom Quixote

Pedro Guerreiro – Jornalista/ Diretor do Jornal de Negócios

Rute Barbedo - Coordenadora da Revista Nota Positiva

Alison Roberts – Correspondente britânica / AIEP

Moderação: Léo Veronez - Doutorando em "Democracia no século XXI", no CES/FEUC-UC 

ver mais: http://www.ces.uc.pt/eventos/index.php?id=5118&id_lingua=1

Sem comentários: