sexta-feira, outubro 26, 2012

viva o Castor!

The Year of the Beaver: a Film about the Modern 'Civilised' State – Tatcher é uma personagem odiosa e, no entanto, a História (ou a cinematografia?) tem procurado embelezar o seu contributo. Ela é, indiscutivelmente, uma das responsáveis pelo estado financeiro calamitoso a que chegou o mundo ocidental. Este documentário não é sobre Tatcher, mas ela está lá todo o tempo. O seu discurso, os seus métodos, a forma como foi sendo preparada a sua ascensão politica. Os actores principais são carteiros, estivadores, mineiros. São todos aqueles que lutaram pelos seus direitos. Porém, surge na comunicação social um discurso novo: o Reino Unido será grande novamente, uma potência universal! Mas para isso será necessário que se deixem de «merdas». Que trabalhem. Que sejam mal pagos. Que acatem ordens. Queixar ou reclamar por direitos é uma ofensa ao mercado livre (e liberal). Não sejam piegas! (onde é que já vi isto?) O filme enche-se de frases simbólicas, do trabalhador que afirma: «Apenas lutamos por uma vida digna», ao polícia que indaga: «Por que razão são necessárias tantas pessoas nos piquetes? Aquilo já não é pressão, é revolta violenta.» Há imagens que marcam e definem épocas, como as grandiosas casas dos patrões que se vão enchendo de automóveis glamorosos, ao mesmo tempo que os trabalhadores vão ficando visivelmente mais pobres. E depois temos a TV e os jornais, a forma como «narram a História», como manipulam imagens e palavras. 30 anos depois nada mudou. Mentira. Piorou. E, pior do que tudo, sinto que ainda falta tanto para chegarmos ao mundo de sonho das Tatcher, Reagan e outros liberais desta vida.

Sem comentários: