quarta-feira, dezembro 12, 2012

da fugacidade do presente


não é questão filosófica ou crítica analítica, nem mesmo momento non-sense ou provocação natalícia, é a aterradora consciência de que envelhecer é isto mesmo: ainda ontem era janeiro e amanhã já acaba dezembro. chiça penico!, que estou tão velho como esta expressão.

Sem comentários: