terça-feira, agosto 27, 2013

da ausência

um mês é muito tempo. um mês são demasiados silêncios caiados, palavras cortadas e vazios condenados. são muitos nadas, perigosamente cheios. dizem que todos os silêncios têm uma justificação e este, que até rima, não é excepção. venham então as letras e as músicas cantadas que o outono é já amanhã.