quinta-feira, março 27, 2014

dezassete minutos

é o regresso à viagem de sempre e, porém, o trajecto não parece mais o mesmo. são quinze páginas lidas na diagonal, duas de esboços de apontamentos, um telefonema para a família, uma discussão política, uma troca de lugares-comuns-sobre-futebol-à-segunda-de-manhã, uma dezena de trocas de olhares que nunca dão em nada. são dezassete minutos. se hoje estes dezassete minutos contassem para alguma coisa. as paragens são as mesmas mas eu já não sou estes dezassete minutos. fiquei algures num apeadeiro desconhecido, com outras pessoas, outras histórias por contar. estes dezassete minutos eram tão meus,  conhecia-os, sabia-os na ponta do tic tac, reconhecia as travagens do comboio, a velhota dos sacos da reboleira, a criança de galochas amarelas que saía sempre à última na amadora, o pica, era o pica, que adormecia depois de benfica. dezassete minutos concentrados em mil histórias e olhares cansados. foram dezassete minutos de regresso ao passado, assim, nem rápido nem lento, só pouca-terra, pouca-terra.

Sem comentários: