sexta-feira, novembro 28, 2014

XXVIII

vejo-te no meu espelho, estás igual a mim, mãe, tenho as tuas rugas rasgadas na minha face, os olhos cavados da morte emprestada, um sorriso murcho dos beijos que fui perdendo, vejo-me no espelho, mãe, e não nos reconheço. onde começo, onde acabas, onde estou, quem sou?

Sem comentários: